sexta-feira, março 09, 2007

RTP VERSUS TVI

Gala dos 50 anos da RTP1 bate '7 Maravilhas' da TVI

Segundo um texto de Paula Brito, aparecido no DN, “a festa das Bodas de Ouro da RTP, que decorreu na quarta-feira à noite no Coliseu dos Recreios, não podia ter corrido melhor à estação pública. A Gala dos 50 Anos foi vista por 1,6 milhões de portugueses, mais de 600 mil espectadores do que a Gala das 7 Maravilhas , emitida à mesma hora pela TVI, em directo da Praça de Touros do Campo Pequeno.
Com arranque a seguir ao Telejornal, a gala da RTP liderou durante toda a sua emissão. Segundo a estação pública, excluindo o futebol, tem de se recuar a 29 de Maio de 1999, para encontrar um prime time com uma quota de mercado superior, obtido então com a ajuda do Festival Eurovisão da Canção (55,2% share/19,9% rating).
Já a estação de Queluz de Baixo, que apostou num espectáculo criado por Filipe La Féria, ficou abaixo desta concorrente. Algo que não preocupava o director-geral da TVI. "Esta noite [quarta-feira] não estamos preocupados com as audiências, mas sim em mostrar que a TVI é uma estação de referência", disse aos jornalistas José Eduardo Moniz, no final do espectáculo musical.
No final do dia, as televisões ficaram arrumadas da seguinte forma: RTP1 com um share de 37,9%, marca alcançada em 17 de Dezembro de 1998, dia do Natal dos Hospitais (62,1%/9,1%), a TVI com 24,9%, a SIC com 22,6% e a 2: com 3,6%. “

Passei sete anos na TVI, uma estação que, muito por causa disso, era considerado o “canal do cinema”. Não tenho dúvidas, era a melhor programação de cinema de qualquer canal português, e nunca mais algum canal se lhe chegou em qualidade. Apesar disso, não fui convidado para a “Gala das 7 maravilhas do Mundo.” Fui convidado pelo La Feria e o meu filho que coordenou toda a programação de vídeo que acompanhou todo o espectáculo.
Na RTP assinei uma das primeiras, senão a primeira mini série portuguesa de sucesso (Manhã Submersa, em quatro episódios, em 1980), tive vários programas de cinema (Cinemática, “Clássicos do Cinema), de cultura (um com o Eduardo Parado Coelho e o Fernando Assis Pacheco, nem me recordo o nome), assinei várias séries (Histórias de Mulheres, A Paródia, Novo Elucidário Madeirense), fiz uma Natal (Um Conto de Natal com o Raul Solnado), fui chamado para dezenas e dezenas de intervenções gratuitas em programas avulsos e telejornais, cedi trabalhos meus para comemorações de Laura Alves, José Viana, etc., enfim, acho que fiz trabalho válido na RTP, mas os actuais responsáveis também não me convidaram para a gala dos 50 Anos.
Digo isto para mostrar a minha independência, ou seja, emotivamente estou ligado aos dois canais, mas além da “minha emoção” mais nada me liga a qualquer dos canais. As administrações de ambos bem o demonstraram.
Na quarta-feira estaria sempre na gala do Felipe La Féria, não só porque o admiro, como por motivos familiares. Assim foi e o Campo Pequeno foi pequeno realmente para a loucura do La Féria, que nos ofereceu duas horas e meia de puro fascínio e magia. Houve do tudo, do musical ao circo, que me lembre em Portugal nunca vi nada de tão “fantástico”. La Féria é completamente louco, e que saudável loucura por ali perpassou. Quem esteve no Campo Pequeno naquela noite não a vai esquecer. O espectáculo, único, irrepetível, mereceria uma análise detalhada. Se houvesse crítica em Portugal, não deixariam de escrever sobre este “acontecimento”. Não há. Ficam as estatísticas. Não sei como o espectáculo apareceu na televisão, mas não me parece que pudesse dar sequer uma ideia do que se viu no Campo Pequeno!
Gravei a Gala dos 50 anos da RTP e revia-a depois de ter ceado no Galeto, por onde iam aparecendo convidados de uma e outra gala (Lisboa na quarta feira à noite era uma Gala pegada, com as avenidas atravancadas às duas da madrugada!). Os que vinham do Coliseu, diziam o pior possível, falavam em estopada, em gala da terceira idade, em chatice (apenas aligeirada por alguma ternura encomendada em certas evocações!). O que vi na televisão, com muito recurso ao arquivo da RTP, não me pareceu tão mau como os que estiveram no Coliseu me iam contando. Mas confesso que ver excertos de filmes no écran do Coliseu deve ter sido aborrecido, muito mais do que vê-los no écran da televisão em nossas casas. De todas as formas, o resultado não foi de forma alguma brilhante e deu uma imagem pífia de um canal de serviço público que tem melhorado imenso nos últimos tempos, mas que não me pareceu estar à altura da empreitada que lhe era pedida nesta data gloriosa. Não é todos os dias que se fazem 50 anos. A efeméride merecia muito melhor. Muito maior criatividade, modernidade, invenção, etc., etc. Ter os meios e não ter quem os potencialize é um desperdício absurdo. Parece que é o que está a acontecer na RTP – gala de novo-rico que foi desenterrar os antepassados para exibir como troféus de linhagem ilustre. Não basta antepassados ilustres para fazer ilustre a história actual. Há que a merecer na actualidade, no presente, nos estúdios sumptuosos, do digital, no etc e tal.
Para mim o La Féria ganhou em toda a linha – mostrou mais uma vez que é um criador, um homem que sabe fazer espectáculos de qualidade e sensibilidade que, não descendo ao fácil, agradam a todos (excepto aos snobs do costume, mas esses…) e proporcionam momentos de prazer indiscutíveis.

Atendendo ao facto deste post ter provocado alguma polémica, passamos a post os comentários que o mesmo desencadeou até agora (mantemos os comentários, para permitir linkagens):


23 comentários:
S. disse...
(Bom, antes de começar gostaria de dizer que ISTO, não é uma tomada de posição contra a família, nem contra nenhuma estação de televisão...nem mesmo a criação de uma frente de guerra... é só um ponto de vista, diferente do do LA é certo, mas simplesmente um ponto de vista.)

Não era para comentar, depois de ter comentado o mesmo tema no DETESTO SOPA, mas quando li que achou o espectáculo da RTP "novo rico" e com uma "imagem pífia", não pude deixar de dar a minha modesta opinião.

Não vi na integra, nem ao vivo o espectáculo da TVI, mas se tivesse num jogo e tivesse de escolher o "show novo rico" não hesitaria a apontar o da TVI, por muito “glamouroso”, faustoso, grandioso (etc) que possa ter sido. De facto, a RTP não exibiu numa só noite todos os recursos de que dispõe, felizmente poupou para outras ocasiões onde serão mais necessários, ao contrario da TVI que exibiu tudo o que poderia exibir..n’O espectáculo.

Tal como a M. disse, “não passam de programas de televisão”...é verdade... mas também é verdade que me entristeceu esta infeliz coincidência (ou não) de datas. Não achei bonito. Nem que tenha respeitado uma senhora de idade. Nem que tenha respeitado 50 anos de História (de Portugal). A TVI teria sido muito mais digna, muito mais apreciada (mesmo que só por alguns) se tivesse optado por uma outra data.

Para provar que não faço parte do grupo de “snobs do costume”, gostei do espectáculo “pífio” da RTP, achei que teve muita classe, foi discreto, mas impôs-se, moderno mas sem esquecer os “antepassados” exibidos como “troféus de linhagem ilustre”, porque o são...ilustres. Obviamente, não gostei de muitas coisas, existiram erros, cenas mais tristes... como em tudo.
Para enaltecer 50 anos não são necessárias centenas de pessoas em palco, nem o gasto de ??? (não faço a mínima ideia, mas IMENSO certamente) de dinheiro público. Para mim, a RTP cumpriu o serviço (público) que tinha a cumprir nessa noite, até porque as comemorações continuam, diariamente.

Quanto ao espectáculo da TVI não me poderei pronunciar mais do que fiz até agora, até porque não tenho conhecimento de causa suficiente.
É possível que esta minha tomada de posição se resuma somente a uma questão de indignação por FALTA DE RESPEITO.... contudo guerra é guerra...e esta foi a de canais televisivos, é justo!

(No entanto, também compreendo que, a nível pessoal, não esteja muito satisfeito com o comportamento da RTP, eu no seu lugar também não estaria.)

(Bom, agora que estou a terminar gostaria de dizer que ISTO, não é uma tomada de posição contra a família, nem contra nenhuma estação de televisão...nem mesmo a criação de uma frente de guerra... é só um ponto de vista, diferente do do LA é certo, mas simplesmente um ponto de vista.)

Beijos
S.

Sexta-feira, Março 09, 2007 7:33:00 AM
Anônimo disse...
Esta postagem foi removida pelo administrador do blog.
Sexta-feira, Março 09, 2007 12:42:00 PM
Ana Paula disse...
Não vi nem uma nem outra. De qualquer modo, gostei de ler esta crítica como testemunho a ter em conta.
A.P.

Sexta-feira, Março 09, 2007 1:09:00 PM
Flávio disse...
Não vi o espectáculo, mas voto à mesma no La Féria. É um tipo generoso ao inverosímil: mesmo não me conhecendo de lado nenhum, deu o maior apoio à produção da nossa curta-metragem O Porteiro.

Sexta-feira, Março 09, 2007 2:17:00 PM
Lauro António disse...
Amilcar Neves: recebi e li o seu texto demolidor quanto á minha actividade e à do La Féria. Publicá-lo-ei obviamente aqui, desde que tenha ligação a um blogue e não seja um texto "anónimo". Fico à espera.
Eu também posso assinar Maximiliano Fernandes. Ou Francisco Benavides. Ou Amilcar Neves.

Sexta-feira, Março 09, 2007 4:47:00 PM
Lauro António disse...
S.: És livre de teres as opiniões que tens e queres ter. Eu também. Ainda bem que não pensamos todos por igual.
Não gostei da coincidência de datas, mas acho que quem escolheu a data foi a entidade que organiza as 7 maravilhas e não a TVI. Acho que escolheram dias 7 de cada mês, para as suas iniciativas que acabam a 7 do 7 de 2007.
Quanto à TVI, não falei da sua transmissão que não vi. Falei do espectáculo do La Féria que vi. Aliás, raramente vejo a TVI, apenas quando lá joga o Sporting, e, mesmo assim, é quase sempre um desgosto. Portanto...
De resto, este é um país tramado, em questões de cultura. Ou 8 ou 80. Ou pimpa ou alternativo. A cultura e a arte que agradam ao grande público e têm qualidade só podem ser vilipendiadas. Uns defendem o elitismo que só os "eleitos" entendem (uma razão para se sentirem "eleitos" mesmo que não compreendam do que falam), outros abastecem-se de lixo e tretas várias, e dão-se por satisfeitos. Haja saude!

Sexta-feira, Março 09, 2007 4:58:00 PM
M disse...
Ora bem! Haja saúde! Essa é que é a grande conclusão! É que sem saúde, como diria o Sr. Malato, na RTP de todos nós, isto não tem graça nenhuma!

Sexta-feira, Março 09, 2007 5:42:00 PM
Ouriço disse...
Saúdinha, sim.
E viva o Sporting!!!!!!!!!!

Sexta-feira, Março 09, 2007 7:32:00 PM
Lauro António disse...
Oh Ouriço, saúdinha sim, mas viva o Sporting, ainda acreditas? Tou tão triste! Em casa com o pão tão mal repartido, ainda achas que há razão? Beijocas sportinguistas (ainda e sempre!)

Sexta-feira, Março 09, 2007 9:10:00 PM
BlueAngel disse...
Vi o programa da RTP. Não quis ver o programa da TVI. Confesso (n é por estar a comentar aqui) que achei que ia ver o Lauro António, no palco do Coliseu, quando chamaram os apresentadores da velha guarda (espero que não se ofenda). Comentámos isso aqui em casa e tb comentámos o facto de tb poder estar no outro canal, pq afinal tb lá tinha trabalhado. Achámos indecente não ter estado na RTP. Percebemos agora pq o fez, família é família. Compreende-de!!!! Mas o público é assim e manifesta-se. Achei mal! Estou no meu direito! De qualquer ambas as estações estiveram mal por não lhe terem endereçado, cada uma, o respectivo convite.

Quanto à qualidade do prgrama da RTP discordo da sua opinião. Achei que teve glamour, homenagens e humor quanto baste. E muita, muita qualidade!!! Gostei de tudo e emocionei-me bastante ao ver certas caras e ao ouvir determinadas músicas. O ponto mais negativo? O palhaço Reininho que não soube estar à altura do grande Tony Matos (apesar de não ser apreciadora do estilo musical deste Senhor, reconheço a sua qualidade e importância no panorama musical nacional). De resto, foi uma grande noite e uma grande prestação de serviço público.

Devo confessar que não sou grande apreciadora dos espectáculos do Sr. Filipe La Féria (a quem reconheço o empenho e e esforço para criar público no teatro. Tarefa que tem superado!) e isso foi, à partida, uma das razões para recusar o espectáculo da TVI. Deste senhor guardo duas boas memórias: "What happened to Madalena Iglésias?", que vi há muitos anos na Casa da Comédia com uma interpretaçãpo brilhante da Rita Ribeiro, e o "Passa Por Mim no Rossio", a que tive o privilégio de assitir duas vezes. Depois comecei a ficar desencatada com o trabalho deste encenador. Mas é apenas uma opinião!

Sábado, Março 10, 2007 1:09:00 AM
BlueAngel disse...
Esqueci-me de dois detalhes. Acho a coincidência de datas uma coincidência (oasso a redundância) muito estranha. Compreendo que os organizadores das "7 Maravilhas" queiram usar todos os dias sete de cada mês até à exaustão, mas talvez pudesse ter havido um pouco de diálogo e de compreensão. Foi de uma grande falta de chá e mau tom fazer um programa directo de um esoectáculo no dia dos 50 anos da RTP. Esta era uma data que todos sabíamos ia ser.
comemorada.

Acho também que as pessoas estão a ficar cansadas do formato dos espectáculos da TVI e isso foi um grande ponto negativo para o canal 4. Apesar de estar anunciado um encenador de nome reconhecido, o público fez a sua escolha.

Sábado, Março 10, 2007 1:38:00 AM
Luis Eme disse...
Acho que não comparações possíveis entre a RTP e a TVI, felizmente.

Nem se podem fazer comparações entre dois espectáculos completamente diferentes, no tempo e no espaço.

Quanto às razões de queixa do L.A., de ambas as televisões, fazem parte do dia a dia dos portugueses. Gostam de nos usar quando dá jeito, da mesma forma que adoram enfiar-nos na "arca dos esquecidos"...

Sábado, Março 10, 2007 2:06:00 PM
Lauro António disse...
Blue Angel e Luis Eme:
Nunca coloquei em comparação a RTP e a TVI. Para falar sinceramente, de TV vejo pouco e o que vejo é quase tudo na RTP. Com excepção de futebol. Realmente a RTP tem melhorado muito nos últimos anos e tenho-o afirmado publicamente. A minha crítica era sobretudo em relação às duas Galas. Gostei do espectáculo do La Feria e não gostei quase nada do da RTP precisamente pela razão que muita gente diz ter gostado: por terem homenagedo daquela forma a "herança" da RTP. Ora a "herança" da RTP não se pode tratar assim: não se tira do armário para causar emoção fácil e não se volta a colocar na arrecadação logo a seguir.
O Solnado não tem um programa seu, mas qualquer modelo consegue ser "actor"! Os actores e realizadores portugueses estão na prateleira, mas não têm vergonha de por no ar essa série indigente "dirigida" por um brasileiro sobre obras de Camilo Castelo Branco, numa co-produção que imagino o que terá custado, e é seguramente das piores coisas que vi em TV.
Enfim... todos ficaram muito felizes por ver as glórias nacionais subir ao palco, mas ninguém se importa de as ver arrumadas durante anos, e erguidas em troféus de dia de aniversário.
A TVI é de outro campeonato, nem é obrigada a ter serviço público. É comércio puro. Quando apresenta um espectáculo digno e bonito, o rei faz anos.

Sábado, Março 10, 2007 3:36:00 PM
Whisper disse...
"Os que vinham do Coliseu, diziam o pior possível, falavam em estopada, em gala da terceira idade, em chatice (apenas aligeirada por alguma ternura encomendada em certas evocações!)".

Bom... também não fui convidada por nenhuma das estações televisivas (passo a brincadeira) nem pude assistir ao espectáculo de La Feria por motivos de tempo e transporte (já que habito no Porto), mas assisti à Gala de Comemoração dos 50 anos da RTP. Dadas as minhas características saudosistas penso que foi uma festa muito bem conseguida, com espaço à homenagem (rara no nosso país) daqueles (alguns dos) que fizeram a nossa história!

Se pensarmos um pouco, como referiu o Presidente da República (que nem sempre gosto de ouvir), quando é evocado um acontecimento de que imagens são maioritariamente constituídas as nossas recordações? daquelas que a TV disponibilizou...

Conclusão: gostei muito de poder recordar!

Sábado, Março 10, 2007 6:28:00 PM
M.M. disse...
Também estava à espera de ver o Lauro António na gala da RTP. Contudo, mesmo que tivesse sido convidado, teria optado pelo espectáculo da TVI, pelas razões que já apresentou, não é verdade?
Enfim, a gala da RTP teve imensas falhas, cenas menos felizes e alguma falta de organização. Mas foi um espectáculo importante, que talvez pudesse ter sido gravado e transmitido em diferido, por razões óvias. É uma opinião.
Quanto à gala da TVI... sinceramente, não vi muita coisa, mas lembro-me de ver um bailado chinês com dançarinas europeias? Talvez tivesse sido impressão minha, mas se não foi, acho que a comunidade chinesa em Portugal é suficientemente grande para que o La Féria pudesse contar com a colaboração de dançarinas chinesas, não? Lá está, é outra opinião.
Um bj grande para si, Lauro.

Sábado, Março 10, 2007 7:36:00 PM
tender is the night disse...
Não vi. Não sei. Não tenho opinião. Não sabia que havia uma polémica de interesse nacional.
De resto, blog interessante. Detesto sopa...? O que é isso?
Um beijo meu. Para ti.

Domingo, Março 11, 2007 3:13:00 AM
Lauro António disse...
Mais achas para a fogueira. Li no Blogue Industrias Culturais, de Rogério Santos (http://industrias-culturais.blogspot.com/)

50 ANOS DE RTP

Do pouco que vi da gala dos 50 anos da RTP, não gostei. Parecia quase o Natal dos Hospitais. Em especial quando os jornalistas subiram ao palco e o director Luís Marinho enalteceu o papel desses agentes activos na busca e apresentação de notícias de modo objectivo. É o que se pede a todos eles.
Ao lado, na TVI, um bailado garboso (é a palavra que me ocorre) de musical americano, dos que se vêem em Londres ou NovaIorque.
Estou com muita curiosidade para ler as audiências das galas concorrentes. A RTP terá apanhado apenas os saudosos da Madalena Iglésias e colegas.

Domingo, Março 11, 2007 3:50:00 AM
tender disse...
touchée

Domingo, Março 11, 2007 1:55:00 PM
Hugo disse...
Gostei do seu ponto de vista.Fui vendo ambas as galas em sistema de Zapping, coisa muito em voga por estes tempos e do que vi preferi a da RTP(embora fique sabendo que se trata de uma copia da festa dos 50 anos da TVE pelo menos,a que eu assisti um pouco á já algum tempo.Penso até que a Endemol produziu as 2 é o mal desta globalisação das coisas).A da RTP teve como se sabe o famoso momento do Reninho digno de um progrma do gato fedorento, de resto esteve tudo muito bem,gostei do momento da Mafalda Arnauth e de ver aquelas caras todas fazem parte da minha vida da sua e de todos os portugueses.Em relação á da TVI gostei do momento da Marina Mota(que saudades dos seus bons tempos), achei despropsitado o momento Miss Saigão não era adequado ao monumento em causa nem o momento do Brasil, de resto esteve bem, tal como o La Feria sabe fazer.
No meio disto tudo quem perdeu foi o povo de portugal, que ou tem tudo ou não tem nada.Pior ainda ainda é esta guerra estupida(em tudo semelhante á que querem fazer entre Herman/gato fedorento não têm razão de ser)e ainda bem que foi a RTP a ganhar a noite.

Domingo, Março 11, 2007 7:10:00 PM
Yardbird disse...
Meu caro Lauro António,
Atrasada, mas mesmo assim gostaria de deixar expressa a minha opinião sobre vários aspectos por si abordados neste texto.
Não é de forma alguma compreensível o esquecimento a que algumas figuras foram votadas (uma delas você - não se trata de "graxa" mas da constatação de um facto - que se tornou, de facto, incontornável quando se falava de cinema na RTP, e tanto assim é que até deu origem a uma das mais hilariantes criações do grande Herman), principalmente quando se chamam ao palco figuras menores, para não dizer insignificantes (apesar de não ser grande entusiasta, parece-me que a Simone também não terá sido chamada). Mas quue quuer, a memória dos homens é curta e a gratidão ainda mais.
Sobre o espectáculo, confesso que esperava um pouco mais, que não só auto-elogios e o evocar de figuras. Mas pronto, era um programa evocativo, situou-se num nivel razoável.
O da TVI não vi. Como o meu caro, só ligo aquele canal para ver o Sporting. De resto recuso-me pura e simplesmente a ver (e esta recusa estende-se também á SIC, excepção feita ao programa do Herman, apesar da sua debilidade - aqui para nós, acho que o andam a querer tramar). Seja ou não um espectáculo do La Féria (que nem sequer aprecio particularmente, descuulpe lá a divergência). E esta minha recusa tem muito a ver com a falta de respeito de que alguns dos seus comentadores falam, não em relação à RTP particularmente, mas em relação a nós, que assistimos e que somos brindados diariamente com programa de um baixo nível atroz.
É por isso que os canais de cabo que transmitem séries de qualidade e filmes, se vão assenhorando de uma fatia de publico cada vez mais significativa.
E já agora, se não viu eu conto-lhe: na emissão da RTP foram ouvidas algumas figuras que tendo "nascido" na RTP se transferiram para os outros dois canais. Todos eles demonstraram a sua simpatia pela casa que os lançou. Só a D manuela moura guedes foi igual a si própria, com uma postura a que infelizmente já habituou toda a gente. Melhor fôra não aceitar dizer nada.
Os meus cumprimentos para si e felicidades para o evento do fim de semana.

Quarta-feira, Março 14, 2007 2:53:00 PM
Nan disse...
1. Optei pela gala da RTP por um simples (?) motivo: não vou estar aqui a poder recordar, daqui a outros 50 anos o que entretanto neles se passar nesta estação televisiva, como recordei os últimos 50 que fizeram, a maior parte deles, parte da minha vida. Onde me senti acompanhada, onde me distraí, onde também aprendi. Diria o mesmo se pudesse aqui estar por altura de qualquer 50º aniversário de qualquer dos outros canais portugueses. Todos eles são serviço público.

2. Achei desonesto (concorrência desleal) da parte da TVI, não terem tido a atenção de optarem, excepcionalmente, por outra data - datas planeadas há muito tempo, portanto passíveis de acordo amigável. Ganharíamos todos. É que dias 7 há muitos...mas não me parece curial que um canal como a RTP se pudesse apresentar perante o país a comemorar um aniversário como este a dia 8 ou 9...
E seria bonito a TVI, no seu próprio espectáculo, referir esse gesto como oferta à mãe de todos os canais de televisão em Portugal. E bonito seria a RTP referir, na sua Gala, o gesto nobre da TVI.
Mas confesso que não esperei nada disso; nunca achei que fôssemos um país educado e de brandos costumes.

3. Por falar em educação - e ombridade - repito aqui o que já comentei no meu blog: a injustiça que foi não te terem convidado para a Gala. Pareço dizer pouco quanto a este facto mas acredita que quero dizer muito.

4. A Gala comoveu-me até às lágrimas mas não me toldou o sentido critico. A forma podia ser a mesma mas já não digo o mesmo do conteúdo. Lacunas imperdoáveis. Escassa repescagem de arquivos. Alguns tempos muito mal aproveitados. Desempenhos entregues a pessoas que não tinham nada a ver com quem se pretendia homenagear, como foi o caso do Rui Reininho. Fiquei boquiaberta - eu, que até sempre considerei os GNR a melhor banda de rock em Portugal. Qualquer miúdo saído desses concursos que por aí pululam, de descobertas de novos talentos, teria feito muito melhor. Cá para nós: ele pareceu-te num estado normal?

5. Só acrescentar que este género de espectáculos não fazem o meu género, assim como não o fazem os do La Féria, a quem, no entanto, não retiro o valor. Reconhecer que algo é bom e gostar desse algo não são a mesma coisa. Tipo reconhecer o valor duns Beatles e nunca ter vibrado com nada deles. Acho que percebes...
Não fazem o meu género, como dizia. Mas eram os 50 anos de uma coisa que amenizou a solidão de milhares de pessoas, com o esforço, muitas vezes abnegado, de muitos "carolas".
Se é que ainda conseguimos sentir solidariedade...

Soube-me a pouco o que disse, embora tenha feito o maior comentário que alguma vez fiz num blog, e que, aqui ou ali, tenha perdido o fio condutor. Mas pronto.

E tu não te esqueças que também quem não está connosco não está, necessariamente, contra nós.
Tu és tu e sabes o que vales. Como todos nós. Neste contexto, o resto é folclore...

Beijo

e

don't look that trailer too much :)

Quinta-feira, Março 15, 2007 3:42:00 AM
Nan disse...
Adenda: Hoje não vejo muita televisão, excepção feita às notícias, enquanto ando dum lado para o outro em casa, a curtir uma de fada do lar, um ou outro debate temático e ao cinema - sempre, sempre antes de dormir. E, para isto, uso qualquer dos canais. O único critério que sigo é o do meu gosto, daquilo que me preenche.
E encontro de que gostar seja em que canal fôr.
O meu comentário anterior não foi, por isso, parcial. Até acho que - e não sofro de patriotite aguda - qualquer dos nossos canais televisivos rivaliza, na boa, com qualquer outro de países considerados mais desenvolvidos que o nosso.
Abusa-se demais nas novelas...mas também não há bela sem senão...

(pronto, calo-me já...:)]

Quinta-feira, Março 15, 2007 3:54:00 AM
Lauro António disse...
Meus caros, que bom lê-los, mesmo quando discordam de mim. Os blogues têm isso de notável, dar a voz a todos em igualdade de circunstâncias.
A gala da RTP foi retransmitida. Vi-a quase toda. Teve alguns momentos aceitáveis, concordo. Continuo a não achar graça nenhuma à forma como foram recuperar a considerada "velhada" da casa (estilo venham cá dar um ar arzinho da vossa graça, comovam lá o pagode, e voltem depois para o armário). Mas apesar disso, e do indigente Festival da Canção que deram logo nos dias a seguir (que canções! que humor!), é obvio que não há comparação entre a RTP e a TVI, globalmente.
Eu quase só vejo RTP e vejo bastante coisas de que gosto: os telejornais (que me parecem muito equilibrados, e nada tendenciosos, como às vezes são acusados), as grandes entrevistas, os prós e contras, os comentários de Marcelo e Vitorino, o um contra todos (pois, gosto do Malato e gosto de programas deste género, de pergunta e resposta), enfim, há muita coisa na RTP boa. Nos outros canais, pelo contrário, há por vezes uma ou outra coisa aceitável, e muitas, mas mesmo muitas, intoleráveis. Mesmo assim, estou (quase) de acordo com Nan (obrigado pelo maior comentário alguma vez escrito num blogue que não o teu!): os canais de televisão portugueses são por vezes bem melhores do que o que se pode ver em muitas televisões estrangeiras, de Espanha, França, Alemanha, Itália, Brasil, Argentina, México, etc....
Outra coisa que detesto nos portugueses é esta auto-crítica sistemática, este desprezo metódico, compulsivo, militante contra tudo o que é português. Não somos os melhores do mundo (os melhores do mundo são os americanos, não é? – vejam lá o que dizem deles!), mas temos muitos “melhores do mundo” para um país tão pequenino.
De resto, há dias vi uma estatística que me deixou muito satisfeito: entre os países mais detestados e ameaçadores do mundo, não estávamos na “shot list” nem que eu visse em lista nenhuma. E os “melhores do mundo” de todos os cambiante políticos (e religiosos!) estavam lá.
Mais uma vez, obrigado a todos.

Quinta-feira, Março 15, 2007 12:42:00 PM
Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Início
Assinar: Postar comentários (Atom)

23 comentários:

S. disse...

(Bom, antes de começar gostaria de dizer que ISTO, não é uma tomada de posição contra a família, nem contra nenhuma estação de televisão...nem mesmo a criação de uma frente de guerra... é só um ponto de vista, diferente do do LA é certo, mas simplesmente um ponto de vista.)

Não era para comentar, depois de ter comentado o mesmo tema no DETESTO SOPA, mas quando li que achou o espectáculo da RTP "novo rico" e com uma "imagem pífia", não pude deixar de dar a minha modesta opinião.

Não vi na integra, nem ao vivo o espectáculo da TVI, mas se tivesse num jogo e tivesse de escolher o "show novo rico" não hesitaria a apontar o da TVI, por muito “glamouroso”, faustoso, grandioso (etc) que possa ter sido. De facto, a RTP não exibiu numa só noite todos os recursos de que dispõe, felizmente poupou para outras ocasiões onde serão mais necessários, ao contrario da TVI que exibiu tudo o que poderia exibir..n’O espectáculo.

Tal como a M. disse, “não passam de programas de televisão”...é verdade... mas também é verdade que me entristeceu esta infeliz coincidência (ou não) de datas. Não achei bonito. Nem que tenha respeitado uma senhora de idade. Nem que tenha respeitado 50 anos de História (de Portugal). A TVI teria sido muito mais digna, muito mais apreciada (mesmo que só por alguns) se tivesse optado por uma outra data.

Para provar que não faço parte do grupo de “snobs do costume”, gostei do espectáculo “pífio” da RTP, achei que teve muita classe, foi discreto, mas impôs-se, moderno mas sem esquecer os “antepassados” exibidos como “troféus de linhagem ilustre”, porque o são...ilustres. Obviamente, não gostei de muitas coisas, existiram erros, cenas mais tristes... como em tudo.
Para enaltecer 50 anos não são necessárias centenas de pessoas em palco, nem o gasto de ??? (não faço a mínima ideia, mas IMENSO certamente) de dinheiro público. Para mim, a RTP cumpriu o serviço (público) que tinha a cumprir nessa noite, até porque as comemorações continuam, diariamente.

Quanto ao espectáculo da TVI não me poderei pronunciar mais do que fiz até agora, até porque não tenho conhecimento de causa suficiente.
É possível que esta minha tomada de posição se resuma somente a uma questão de indignação por FALTA DE RESPEITO.... contudo guerra é guerra...e esta foi a de canais televisivos, é justo!

(No entanto, também compreendo que, a nível pessoal, não esteja muito satisfeito com o comportamento da RTP, eu no seu lugar também não estaria.)

(Bom, agora que estou a terminar gostaria de dizer que ISTO, não é uma tomada de posição contra a família, nem contra nenhuma estação de televisão...nem mesmo a criação de uma frente de guerra... é só um ponto de vista, diferente do do LA é certo, mas simplesmente um ponto de vista.)

Beijos
S.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ana Paula disse...

Não vi nem uma nem outra. De qualquer modo, gostei de ler esta crítica como testemunho a ter em conta.
A.P.

Flávio disse...

Não vi o espectáculo, mas voto à mesma no La Féria. É um tipo generoso ao inverosímil: mesmo não me conhecendo de lado nenhum, deu o maior apoio à produção da nossa curta-metragem O Porteiro.

Lauro António disse...

Amilcar Neves: recebi e li o seu texto demolidor quanto á minha actividade e à do La Féria. Publicá-lo-ei obviamente aqui, desde que tenha ligação a um blogue e não seja um texto "anónimo". Fico à espera.
Eu também posso assinar Maximiliano Fernandes. Ou Francisco Benavides. Ou Amilcar Neves.

Lauro António disse...

S.: És livre de teres as opiniões que tens e queres ter. Eu também. Ainda bem que não pensamos todos por igual.
Não gostei da coincidência de datas, mas acho que quem escolheu a data foi a entidade que organiza as 7 maravilhas e não a TVI. Acho que escolheram dias 7 de cada mês, para as suas iniciativas que acabam a 7 do 7 de 2007.
Quanto à TVI, não falei da sua transmissão que não vi. Falei do espectáculo do La Féria que vi. Aliás, raramente vejo a TVI, apenas quando lá joga o Sporting, e, mesmo assim, é quase sempre um desgosto. Portanto...
De resto, este é um país tramado, em questões de cultura. Ou 8 ou 80. Ou pimpa ou alternativo. A cultura e a arte que agradam ao grande público e têm qualidade só podem ser vilipendiadas. Uns defendem o elitismo que só os "eleitos" entendem (uma razão para se sentirem "eleitos" mesmo que não compreendam do que falam), outros abastecem-se de lixo e tretas várias, e dão-se por satisfeitos. Haja saude!

M disse...

Ora bem! Haja saúde! Essa é que é a grande conclusão! É que sem saúde, como diria o Sr. Malato, na RTP de todos nós, isto não tem graça nenhuma!

Ouriço disse...

Saúdinha, sim.
E viva o Sporting!!!!!!!!!!

Lauro António disse...

Oh Ouriço, saúdinha sim, mas viva o Sporting, ainda acreditas? Tou tão triste! Em casa com o pão tão mal repartido, ainda achas que há razão? Beijocas sportinguistas (ainda e sempre!)

BlueAngel disse...

Vi o programa da RTP. Não quis ver o programa da TVI. Confesso (n é por estar a comentar aqui) que achei que ia ver o Lauro António, no palco do Coliseu, quando chamaram os apresentadores da velha guarda (espero que não se ofenda). Comentámos isso aqui em casa e tb comentámos o facto de tb poder estar no outro canal, pq afinal tb lá tinha trabalhado. Achámos indecente não ter estado na RTP. Percebemos agora pq o fez, família é família. Compreende-de!!!! Mas o público é assim e manifesta-se. Achei mal! Estou no meu direito! De qualquer ambas as estações estiveram mal por não lhe terem endereçado, cada uma, o respectivo convite.

Quanto à qualidade do prgrama da RTP discordo da sua opinião. Achei que teve glamour, homenagens e humor quanto baste. E muita, muita qualidade!!! Gostei de tudo e emocionei-me bastante ao ver certas caras e ao ouvir determinadas músicas. O ponto mais negativo? O palhaço Reininho que não soube estar à altura do grande Tony Matos (apesar de não ser apreciadora do estilo musical deste Senhor, reconheço a sua qualidade e importância no panorama musical nacional). De resto, foi uma grande noite e uma grande prestação de serviço público.

Devo confessar que não sou grande apreciadora dos espectáculos do Sr. Filipe La Féria (a quem reconheço o empenho e e esforço para criar público no teatro. Tarefa que tem superado!) e isso foi, à partida, uma das razões para recusar o espectáculo da TVI. Deste senhor guardo duas boas memórias: "What happened to Madalena Iglésias?", que vi há muitos anos na Casa da Comédia com uma interpretaçãpo brilhante da Rita Ribeiro, e o "Passa Por Mim no Rossio", a que tive o privilégio de assitir duas vezes. Depois comecei a ficar desencatada com o trabalho deste encenador. Mas é apenas uma opinião!

BlueAngel disse...

Esqueci-me de dois detalhes. Acho a coincidência de datas uma coincidência (oasso a redundância) muito estranha. Compreendo que os organizadores das "7 Maravilhas" queiram usar todos os dias sete de cada mês até à exaustão, mas talvez pudesse ter havido um pouco de diálogo e de compreensão. Foi de uma grande falta de chá e mau tom fazer um programa directo de um esoectáculo no dia dos 50 anos da RTP. Esta era uma data que todos sabíamos ia ser.
comemorada.

Acho também que as pessoas estão a ficar cansadas do formato dos espectáculos da TVI e isso foi um grande ponto negativo para o canal 4. Apesar de estar anunciado um encenador de nome reconhecido, o público fez a sua escolha.

Luis Eme disse...

Acho que não comparações possíveis entre a RTP e a TVI, felizmente.

Nem se podem fazer comparações entre dois espectáculos completamente diferentes, no tempo e no espaço.

Quanto às razões de queixa do L.A., de ambas as televisões, fazem parte do dia a dia dos portugueses. Gostam de nos usar quando dá jeito, da mesma forma que adoram enfiar-nos na "arca dos esquecidos"...

Lauro António disse...

Blue Angel e Luis Eme:
Nunca coloquei em comparação a RTP e a TVI. Para falar sinceramente, de TV vejo pouco e o que vejo é quase tudo na RTP. Com excepção de futebol. Realmente a RTP tem melhorado muito nos últimos anos e tenho-o afirmado publicamente. A minha crítica era sobretudo em relação às duas Galas. Gostei do espectáculo do La Feria e não gostei quase nada do da RTP precisamente pela razão que muita gente diz ter gostado: por terem homenagedo daquela forma a "herança" da RTP. Ora a "herança" da RTP não se pode tratar assim: não se tira do armário para causar emoção fácil e não se volta a colocar na arrecadação logo a seguir.
O Solnado não tem um programa seu, mas qualquer modelo consegue ser "actor"! Os actores e realizadores portugueses estão na prateleira, mas não têm vergonha de por no ar essa série indigente "dirigida" por um brasileiro sobre obras de Camilo Castelo Branco, numa co-produção que imagino o que terá custado, e é seguramente das piores coisas que vi em TV.
Enfim... todos ficaram muito felizes por ver as glórias nacionais subir ao palco, mas ninguém se importa de as ver arrumadas durante anos, e erguidas em troféus de dia de aniversário.
A TVI é de outro campeonato, nem é obrigada a ter serviço público. É comércio puro. Quando apresenta um espectáculo digno e bonito, o rei faz anos.

Whisper disse...

"Os que vinham do Coliseu, diziam o pior possível, falavam em estopada, em gala da terceira idade, em chatice (apenas aligeirada por alguma ternura encomendada em certas evocações!)".

Bom... também não fui convidada por nenhuma das estações televisivas (passo a brincadeira) nem pude assistir ao espectáculo de La Feria por motivos de tempo e transporte (já que habito no Porto), mas assisti à Gala de Comemoração dos 50 anos da RTP. Dadas as minhas características saudosistas penso que foi uma festa muito bem conseguida, com espaço à homenagem (rara no nosso país) daqueles (alguns dos) que fizeram a nossa história!

Se pensarmos um pouco, como referiu o Presidente da República (que nem sempre gosto de ouvir), quando é evocado um acontecimento de que imagens são maioritariamente constituídas as nossas recordações? daquelas que a TV disponibilizou...

Conclusão: gostei muito de poder recordar!

M.M. disse...

Também estava à espera de ver o Lauro António na gala da RTP. Contudo, mesmo que tivesse sido convidado, teria optado pelo espectáculo da TVI, pelas razões que já apresentou, não é verdade?
Enfim, a gala da RTP teve imensas falhas, cenas menos felizes e alguma falta de organização. Mas foi um espectáculo importante, que talvez pudesse ter sido gravado e transmitido em diferido, por razões óvias. É uma opinião.
Quanto à gala da TVI... sinceramente, não vi muita coisa, mas lembro-me de ver um bailado chinês com dançarinas europeias? Talvez tivesse sido impressão minha, mas se não foi, acho que a comunidade chinesa em Portugal é suficientemente grande para que o La Féria pudesse contar com a colaboração de dançarinas chinesas, não? Lá está, é outra opinião.
Um bj grande para si, Lauro.

tender is the night disse...

Não vi. Não sei. Não tenho opinião. Não sabia que havia uma polémica de interesse nacional.
De resto, blog interessante. Detesto sopa...? O que é isso?
Um beijo meu. Para ti.

Lauro António disse...

Mais achas para a fogueira. Li no Blogue Industrias Culturais, de Rogério Santos (http://industrias-culturais.blogspot.com/)

50 ANOS DE RTP

Do pouco que vi da gala dos 50 anos da RTP, não gostei. Parecia quase o Natal dos Hospitais. Em especial quando os jornalistas subiram ao palco e o director Luís Marinho enalteceu o papel desses agentes activos na busca e apresentação de notícias de modo objectivo. É o que se pede a todos eles.
Ao lado, na TVI, um bailado garboso (é a palavra que me ocorre) de musical americano, dos que se vêem em Londres ou NovaIorque.
Estou com muita curiosidade para ler as audiências das galas concorrentes. A RTP terá apanhado apenas os saudosos da Madalena Iglésias e colegas.

tender disse...

touchée

Hugo disse...

Gostei do seu ponto de vista.Fui vendo ambas as galas em sistema de Zapping, coisa muito em voga por estes tempos e do que vi preferi a da RTP(embora fique sabendo que se trata de uma copia da festa dos 50 anos da TVE pelo menos,a que eu assisti um pouco á já algum tempo.Penso até que a Endemol produziu as 2 é o mal desta globalisação das coisas).A da RTP teve como se sabe o famoso momento do Reninho digno de um progrma do gato fedorento, de resto esteve tudo muito bem,gostei do momento da Mafalda Arnauth e de ver aquelas caras todas fazem parte da minha vida da sua e de todos os portugueses.Em relação á da TVI gostei do momento da Marina Mota(que saudades dos seus bons tempos), achei despropsitado o momento Miss Saigão não era adequado ao monumento em causa nem o momento do Brasil, de resto esteve bem, tal como o La Feria sabe fazer.
No meio disto tudo quem perdeu foi o povo de portugal, que ou tem tudo ou não tem nada.Pior ainda ainda é esta guerra estupida(em tudo semelhante á que querem fazer entre Herman/gato fedorento não têm razão de ser)e ainda bem que foi a RTP a ganhar a noite.

Yardbird disse...

Meu caro Lauro António,
Atrasada, mas mesmo assim gostaria de deixar expressa a minha opinião sobre vários aspectos por si abordados neste texto.
Não é de forma alguma compreensível o esquecimento a que algumas figuras foram votadas (uma delas você - não se trata de "graxa" mas da constatação de um facto - que se tornou, de facto, incontornável quando se falava de cinema na RTP, e tanto assim é que até deu origem a uma das mais hilariantes criações do grande Herman), principalmente quando se chamam ao palco figuras menores, para não dizer insignificantes (apesar de não ser grande entusiasta, parece-me que a Simone também não terá sido chamada). Mas quue quuer, a memória dos homens é curta e a gratidão ainda mais.
Sobre o espectáculo, confesso que esperava um pouco mais, que não só auto-elogios e o evocar de figuras. Mas pronto, era um programa evocativo, situou-se num nivel razoável.
O da TVI não vi. Como o meu caro, só ligo aquele canal para ver o Sporting. De resto recuso-me pura e simplesmente a ver (e esta recusa estende-se também á SIC, excepção feita ao programa do Herman, apesar da sua debilidade - aqui para nós, acho que o andam a querer tramar). Seja ou não um espectáculo do La Féria (que nem sequer aprecio particularmente, descuulpe lá a divergência). E esta minha recusa tem muito a ver com a falta de respeito de que alguns dos seus comentadores falam, não em relação à RTP particularmente, mas em relação a nós, que assistimos e que somos brindados diariamente com programa de um baixo nível atroz.
É por isso que os canais de cabo que transmitem séries de qualidade e filmes, se vão assenhorando de uma fatia de publico cada vez mais significativa.
E já agora, se não viu eu conto-lhe: na emissão da RTP foram ouvidas algumas figuras que tendo "nascido" na RTP se transferiram para os outros dois canais. Todos eles demonstraram a sua simpatia pela casa que os lançou. Só a D manuela moura guedes foi igual a si própria, com uma postura a que infelizmente já habituou toda a gente. Melhor fôra não aceitar dizer nada.
Os meus cumprimentos para si e felicidades para o evento do fim de semana.

Nan disse...

1. Optei pela gala da RTP por um simples (?) motivo: não vou estar aqui a poder recordar, daqui a outros 50 anos o que entretanto neles se passar nesta estação televisiva, como recordei os últimos 50 que fizeram, a maior parte deles, parte da minha vida. Onde me senti acompanhada, onde me distraí, onde também aprendi. Diria o mesmo se pudesse aqui estar por altura de qualquer 50º aniversário de qualquer dos outros canais portugueses. Todos eles são serviço público.

2. Achei desonesto (concorrência desleal) da parte da TVI, não terem tido a atenção de optarem, excepcionalmente, por outra data - datas planeadas há muito tempo, portanto passíveis de acordo amigável. Ganharíamos todos. É que dias 7 há muitos...mas não me parece curial que um canal como a RTP se pudesse apresentar perante o país a comemorar um aniversário como este a dia 8 ou 9...
E seria bonito a TVI, no seu próprio espectáculo, referir esse gesto como oferta à mãe de todos os canais de televisão em Portugal. E bonito seria a RTP referir, na sua Gala, o gesto nobre da TVI.
Mas confesso que não esperei nada disso; nunca achei que fôssemos um país educado e de brandos costumes.

3. Por falar em educação - e ombridade - repito aqui o que já comentei no meu blog: a injustiça que foi não te terem convidado para a Gala. Pareço dizer pouco quanto a este facto mas acredita que quero dizer muito.

4. A Gala comoveu-me até às lágrimas mas não me toldou o sentido critico. A forma podia ser a mesma mas já não digo o mesmo do conteúdo. Lacunas imperdoáveis. Escassa repescagem de arquivos. Alguns tempos muito mal aproveitados. Desempenhos entregues a pessoas que não tinham nada a ver com quem se pretendia homenagear, como foi o caso do Rui Reininho. Fiquei boquiaberta - eu, que até sempre considerei os GNR a melhor banda de rock em Portugal. Qualquer miúdo saído desses concursos que por aí pululam, de descobertas de novos talentos, teria feito muito melhor. Cá para nós: ele pareceu-te num estado normal?

5. Só acrescentar que este género de espectáculos não fazem o meu género, assim como não o fazem os do La Féria, a quem, no entanto, não retiro o valor. Reconhecer que algo é bom e gostar desse algo não são a mesma coisa. Tipo reconhecer o valor duns Beatles e nunca ter vibrado com nada deles. Acho que percebes...
Não fazem o meu género, como dizia. Mas eram os 50 anos de uma coisa que amenizou a solidão de milhares de pessoas, com o esforço, muitas vezes abnegado, de muitos "carolas".
Se é que ainda conseguimos sentir solidariedade...

Soube-me a pouco o que disse, embora tenha feito o maior comentário que alguma vez fiz num blog, e que, aqui ou ali, tenha perdido o fio condutor. Mas pronto.

E tu não te esqueças que também quem não está connosco não está, necessariamente, contra nós.
Tu és tu e sabes o que vales. Como todos nós. Neste contexto, o resto é folclore...

Beijo

e

don't look that trailer too much :)

Nan disse...

Adenda: Hoje não vejo muita televisão, excepção feita às notícias, enquanto ando dum lado para o outro em casa, a curtir uma de fada do lar, um ou outro debate temático e ao cinema - sempre, sempre antes de dormir. E, para isto, uso qualquer dos canais. O único critério que sigo é o do meu gosto, daquilo que me preenche.
E encontro de que gostar seja em que canal fôr.
O meu comentário anterior não foi, por isso, parcial. Até acho que - e não sofro de patriotite aguda - qualquer dos nossos canais televisivos rivaliza, na boa, com qualquer outro de países considerados mais desenvolvidos que o nosso.
Abusa-se demais nas novelas...mas também não há bela sem senão...

(pronto, calo-me já...:)]

Lauro António disse...

Meus caros, que bom lê-los, mesmo quando discordam de mim. Os blogues têm isso de notável, dar a voz a todos em igualdade de circunstâncias.
A gala da RTP foi retransmitida. Vi-a quase toda. Teve alguns momentos aceitáveis, concordo. Continuo a não achar graça nenhuma à forma como foram recuperar a considerada "velhada" da casa (estilo venham cá dar um ar arzinho da vossa graça, comovam lá o pagode, e voltem depois para o armário). Mas apesar disso, e do indigente Festival da Canção que deram logo nos dias a seguir (que canções! que humor!), é obvio que não há comparação entre a RTP e a TVI, globalmente.
Eu quase só vejo RTP e vejo bastante coisas de que gosto: os telejornais (que me parecem muito equilibrados, e nada tendenciosos, como às vezes são acusados), as grandes entrevistas, os prós e contras, os comentários de Marcelo e Vitorino, o um contra todos (pois, gosto do Malato e gosto de programas deste género, de pergunta e resposta), enfim, há muita coisa na RTP boa. Nos outros canais, pelo contrário, há por vezes uma ou outra coisa aceitável, e muitas, mas mesmo muitas, intoleráveis. Mesmo assim, estou (quase) de acordo com Nan (obrigado pelo maior comentário alguma vez escrito num blogue que não o teu!): os canais de televisão portugueses são por vezes bem melhores do que o que se pode ver em muitas televisões estrangeiras, de Espanha, França, Alemanha, Itália, Brasil, Argentina, México, etc....
Outra coisa que detesto nos portugueses é esta auto-crítica sistemática, este desprezo metódico, compulsivo, militante contra tudo o que é português. Não somos os melhores do mundo (os melhores do mundo são os americanos, não é? – vejam lá o que dizem deles!), mas temos muitos “melhores do mundo” para um país tão pequenino.
De resto, há dias vi uma estatística que me deixou muito satisfeito: entre os países mais detestados e ameaçadores do mundo, não estávamos na “shot list” nem que eu visse em lista nenhuma. E os “melhores do mundo” de todos os cambiante políticos (e religiosos!) estavam lá.
Mais uma vez, obrigado a todos.