quarta-feira, fevereiro 04, 2009

REGRESSO A VERGÍLIO FERREIRA

Regresso a Vergílio Ferreira. Pediram-me mais uma vez um testemunho sobre o escritor de “Manhã Submersa”. Desta feita para incluírem num documentário sobre “Aparição”, a exibir futuramente na RTP.

Apeteceu-me reler a obra, uma das suas que pela primeira vez descobri, ainda adolescente.
Que assombração! Que deslumbramento!
Como se escreve límpido e profundo, como se ficciona e se filosofa.
Como se pensa a vida na inevitabilidade da morte. Como se pensa a vida e a morte “do interior de mim”.


Um exemplo:

“E, todavia, sei-o hoje, só há um problema para a vida, que é o de saber, saber a minha condição, e de restaurar a partir daí a plenitude e a autenticidade de tudo – da alegria, do heroísmo, da amargura, de cada gesto. Ah, ter a evidência ácida do milagre do que sou, de como infinitamente é necessário que eu esteja vivo, e ver depois, em fulgor, que tenho de morrer. A minha presença de mim a mim próprio e a tudo o que me cerca é de dentro de mim que a sei – não do olhar dos outros.”

(Aparição, 1959).

8 comentários:

Filipe Machado disse...

Reli recentemente o Manhã Submersa, verdadeiramente sublime! Vergílio Ferreira é uma referência da literatura portguesa!

Izzi disse...

Ainda só li precisamente "Aparição" de Vergilio Ferreira. Ando há anos a ver se me embrenho mais na sua obra e "Manhã Submersa" é um dos títulos que me dá curiosidade. Li "Aparição" por obrigação, visto que tive de o estudar no 12º ano, mas ao lê-lo não senti qualquer tipo de obrigação, apenas prazer. Reli-o há uns meses atrás e a sensação permanence. Um grande escritor, sem dúvida.

**

audrey disse...

Virgílio Ferreira...

as manhãs submersas..........

Ca:mila disse...

bonito! despertou-me a curiosidade,

procurarei as obras deste autor,

abraços, deste lado de cá.

Lauro António disse...

Filipe: Não tenha - uma referência que não vai desaparecer e vaio gnahar com a passagem dos anos.

Lauro António disse...

Izzi: Não perca a Manhã Submersa. É um livro imenso, sobre o Homem e o seu diálodo com Deus, e sobre este nosso Portugal. Mas há tantos romances magnificos em V. F.

Lauro António disse...

Pois, Audrey, as Manhãs Submersas. Como a entendo.

Lauro António disse...

Ca:mila - Se puder não perca. No Brasil há vários Vergilios Ferreitras editados. Não perca a Manhã Submersa. Sobre esse romance fiz um filme que não saiu mal. Fora de modéstias. Ah se o pudesse ver por aí, nesse belo Rio de Janeiro. Mas devo ir ao Rio este ano, levo uma cópia para ver. Prometo. Beijo.