segunda-feira, setembro 07, 2009

A SELECÇÃO E CARLOS QUEIROZ

:

MAIS UM EMPATE
A selecção jogou bem durante muito tempo, mas mais uma vez jogou contra uma equipa, a Dinamarca (não muito forte), contra um árbitro (que se esqueceu de um penalti) e sobretudo contra o seu treinador (Carlos Queiroz). Desta vez o treinador escolheu um novo sistema de jogo, que funcionou muito melhor, e que tinha em mente ter na frente atacantes que não perdoassem. Fez tudo bem, para jogar com um jogador como Liedson, mas depois acobardou-se e deixou-o no banco. O resultado viu-se: uma exibição (quase) de luxo, mas de uma ineficácia total. O “melhor do mundo” esteve muito melhor (percebe-se por que joga mal na selecção: porque está mal posicionado) e a equipa mostrou que merecia estar no Mundial onde tudo leva a crer que não vai estar. A culpa é só uma: Carlos Queiroz (por muita simpatia que eu tenha, e tenho, por ele e pela sua obra nas camadas mais jovens). Mas Queiroz não é o treinador ideal para esta selecção.
Devo concluir que os jogadores fizeram tudo quanto sabiam e podiam para vencer. Nada a acusá-los, a não ser de falta de pontaria.

2 comentários:

OF disse...

É inglório que tenhámos dado um banho de bola a esta selecção Dinamarquesa (quer em Portugal, quer na Dinamarca) e estármos com quase metade dos pontos (Dinamarca 17 pontos; Portugal: 10 pontos)

Rui disse...

O problema da selecção é muito mais profundo e vem do tempo de Scolari: A Federação deixou de apostar no futebol jovem. Enquanto Queiroz entregou aos treinadores vindouros uma geração de jovens excepcionais, herdou uma geração bem mais fraquinha. Já Scolari sentiu isso mesmo no último Europeu. Claro que Queiroz também é responsável pela nossa decepção; é muito indeciso nas soluções tácticas que apresenta e nomear um jogador demasiado infantil como capitão de equipa não lembra a ninguèm...