domingo, agosto 26, 2007

O EPC E O SPORTING

É domingo, está quase na hora de mais um Porto-Sporting. O Sporting vai entrar em campo, daqui a nada. Muitas vezes o Eduardo Prado Coelho me confessava que não ia ao estádio ver o jogo, "porque parecia que não dava sorte à equipa." Ficava em casa a ouvir o relato, em tempos; a ver pela televisão, nos anos mais recentes. Às vezes telefonávamo-nos em situações extremas: um grande golo, um resultado, positivo ou negativo, que deixava marcas.
Acho que a última vez que foi ao estádio (um Sporting-Porto, na temporada passada), foi depois de uma reunião que tivemos os dois com a Comissão do Centenário para falarmos de actividades culturais ligadas ao nosso clube do coração. Afinal o concurso literário não se fez, apenas andou para a frente o Festival de Cinema. Não começaste a escrever no jornal do Sporting, e eu parei por lá apenas uns meses. Mas com estas ou outras pessoas, o nosso sportinguismo mantém-se. Vá-se lá saber por quê! É irracional. Nasce-se assim. Eu acho que é bom que seja assim. Acho perfeito não perceber esta cumplicidade, esta vontade de pertencer a, este “amor” que nos faz sofrer ou enlouquecer de alegria. Como tu dizias: "Nunca escondi essa característica da minha personalidade que é ter nascido sportinguista. Para falar verdade, não sei o que isto significa ao certo. Não consigo descobrir se se trata de um imperativo do destino, se de uma decisão racional (mas que racionalidade poderá existir aqui?). Sei apenas que sofro absurdamente quando o Sporting está a perder e que partilho a alegria de todas as vitórias, mesmo que seja sobre um clube da III Divisão: ganharam 4 a zero? São os melhores."
Hoje o Sporting vai entrar em campo e sabe-se lá onde estarás: Um lugar privilegiado lá em cima? Quem sabe? Quem sabe se saberás o resultado. Mas estaremos contigo a ver o jogo, e continuamos contigo qualquer que seja o resultado.
Poderia escrever sobre o muito que nos uniu e o que, por vezes, nos desuniu, os anos da Universidade, a nossa actividade de críticos de cinema no “Diário de Lisboa”, no final dos anos 60, o programa de televisão na RTP2 que ambos dirigíamos (com o Francisco Assis Pacheco), os colóquios, as revistas, os amores, as amizades, enfim… tanto que vivemos juntos, mesmo quando afastados. Mas apetece-me sobretudo, hoje, recordar-te sportinguista. Vamos para o estádio?
Um blogue sportinguista, “Leão da Estrela”, homenageou o EPC, com um bonito post. Aqui o transcrevo, com a devida vénia.
Um Leão na cultura portuguesa

Com a morte de Eduardo Prado Coelho (EPC) desaparece um vulto da cultura portuguesa. E o que é que um blog sobre o Sporting Clube de Portugal tem a ver com a morte de EPC? É que EPC tinha um coração que sofria pelo Sporting. Quando se diz que o Sporting é um clube das elites, isso também tem muito a ver com o facto de ter adeptos e simpatizantes intelectuais como EPC, sem pejo de assumir que gostam de futebol e que têm um clube. EPC, que cultivava uma atitude aristocrática, não tinha preconceitos pseudo-intelectuais. Era capaz de escrever sobre o “nosso” Sporting e, mesmo assim, ser lido por quem detesta futebol. Porque quando escrevia sobre futebol abordava o fenómeno como uma pessoa normal. Com coração, cabeça e estômago. Também por isso, sendo um homem assumidamente de esquerda, chegando, às vezes, a escrever como se de um “spin doctor” do PS se tratasse, era lido e respeitado em todos os quadrantes políticos. Porque era livre nas suas escolhas, nos seus elogios e nas suas críticas. Desde a fundação do jornal “Público”, em 1990, EPC escrevia diariamente sobre as grandezas e as misérias da cultura, da política e da sociedade portuguesas, a partir dos episódios do quotidiano. Tinha amigos de estimação. E inimigos também. Como qualquer ser humano marcante e perene. Nos últimos tempos cruzou-se com a doença. Em Abril passado regressava às páginas do “Público”. Mas a recuperação plena não aconteceu. Na sexta-feira publicava a última crónica "O Fio do Horizonte". FOTO: Ana Baião (Expresso)
ALGUMAS CRÓNICAS DE EDUARDO PRADO COELHO SOBRE FUTEBOL
30-05-2005 -
O jogo, antes e depois
21-06-2005 - O naufrágio (do Sporting na época 2004-2005)
10-08-2005 -
A pré-história da minha ida ao futebol
"Nunca escondi essa característica da minha personalidade que é ter nascido sportinguista. Para falar verdade, não sei o que isto significa ao certo. Não consigo descobrir se se trata de um imperativo do destino, se de uma decisão racional (mas que racionalidade poderá existir aqui?). Sei apenas que sofro absurdamente quando o Sporting está a perder e que partilho a alegria de todas as vitórias, mesmo que seja sobre um clube da III Divisão: ganharam 4 a zero? São os melhores." Leia mais..."
04-10-2005 -
Fado (sobre a crise no Sporting 2005-2006)
23-05-2006 -
A derrota
08-06-2006 - Dispersos
26-06-2006 - Jogos com fronteiras
27-06-2006 - O país em guerra
01-09-2006 - Crise no futebol
05-09-2006 - E viva o futebol!
14-09-2006 - Assim vale a pena
30-01-2007 - No terceiro lugar
publicada por LEÃO DA ESTRELA @ 25.8.07

P.S. (duas horas depois): Olha, perdemos por um erro infantil, mas o jogo foi bom. Temos equipa para o resto do campeonato e foi, sobretudo, um jogo limpo, jogado com lealdade e bem arbitrado (tenho dúvidas se se poderá interpretar aquele lance como "passe ao guarda-redes", mas, enfim...). Não foi um jogo do outro mundo, mas para o nosso nível, foi bom.

4 comentários:

ana disse...

Bela homenagem!

inominável disse...

bem merecido...

vitoscano disse...

Grande homenagem a um grande Homem.
Assunto bem diferente: Passe por este site: http://hotvnews.wordpress.com/ e adira á petição por uma tv(no caso TVI, pois ela passou das marcas com a série the Office na sua excelente versão americana, épisodios as 5h.20m da madrugada para dar um exemplo) melhor e em que exista respeito pelo público que gosta de séries de qualidade.Infelizmente não cabe tudo na RTP2.

Camarada Choco disse...

Divulgação

Mais um Blog que se tornou um Livro!

Filme da apresentação disponível no YouTube em “Camarada Choco”

www.camaradachoco.blogspot.com
www.livrosnet.com