sexta-feira, dezembro 21, 2007

VAVADIANDO DE NATAL

VÁ.VÁ.DIANDO
15 º J A N T A R DA TE R T Ú L I A

O VAVADIANDO DESEJA
UM FELIZ NATAL
E UM ÓPTIMO 2008

22.12’07: 20H
R E S T A U R A N T E - C A F É V Á V Á

CONVIDADOS ESPECIAIS:
OS PARTICIPANTES

DEPOIS DE RAÚL SOLNADO, FERNANDO DACOSTA, NUNO JÚDICE, TEOLINDA GERSÃO, IVA DELGADO, LÍDIA JORGE, MARIA DO CÉU GUERRA, EURICO GONÇALVES, PAULO PORTAS, LAURO ANTÓNIO, ROGÉRIO SAMORA, CARLOS DO CARMO, CELINA PEREIRA E OTELO SARAIVA DE CARVALHO, CONTINUAM OS JANTARES-ENCONTROS NA MELHOR TRADIÇÃO DAS TERTÚLIAS DO CAFÉ-RESTAURANTE VÁVÁ.

UM JANTAR APENAS DE AMIZADE E CONFRATERNIZAÇÃO
SEM PRENDAS. A PRENDA É A PRESENÇA DE CADA UM


TODOS ESTÃO CONVIDADOS MEDIANTE O PAGAMENTO DE UMA SIMBÓLICA QUANTIA: 12,5 EUROS POR PESSOA. COM DIREITO A SOPA, UM PRATO DO DIA, PEIXE OU CARNE, SOBREMESA, BEBIDA (VINHO É O DA CASA!) E CAFÉ. EXTRAS POR CONTA DO FREGUÊS.
PRATOS DO DIA: ARROZ DE TAMBORIL OU BORREGO ESTUFADO COM BATATA
RECUPEREM O BOM GOSTO DE UM SABOROSO JANTAR E DE UMA RECONFORTANTE CONVERSA À RODA DA MESA.
[ LOTAÇÃO LIMITADA A 50 CADEIRAS. ACEITAM-SE INSCRIÇÕES NO BALCÃO DO VÁVÁ. PAGAMENTO ANTECIPADO]

Para informações:
LAURO ANTÓNIO / [Blogue Va.Va.diando (
http://vava-diando.blogspot.com/ ] [ mail: laproducine@gmail.com ]

marcações de lugares:
RESTAURANTE - CAFÉ VÁVÁ AV. EUA, Nº 100 - 1700-179 – LISBOA (TELF 21.7966761)

Natal, e não Dezembro

Entremos, apressados, friorentos,
numa gruta, no bojo de um navio,
num presépio, num prédio, num presídio,
no prédio que amanhã for demolido...
Entremos, inseguros, mas entremos.
Entremos, e depressa, em qualquer sitio,
porque esta noite chama-se Dezembro,
porque sofremos, porque temos frio.

Entremos, dois a dois: somos duzentos,
duzentos mil, doze milhões de nada.
Procuremos o rastro de uma casa,
a cave, a gruta, o sulco de uma nave...
Entremos, despojados, mas entremos.
Das mãos dadas talvez o fogo nasça,
talvez seja Natal e não Dezembro,
talvez universal a consoada.

David Mourão-Ferreira


História Antiga

Era uma vez, lá na Judeia, um rei.
Feio bicho, de resto:
Uma cara de burro sem cabresto
E duas grandes tranças.
A gente olhava, reparava, e via
Que naquela figura não havia
Olhos de quem gosta de crianças.
E, na verdade, assim acontecia.
Porque um dia,
O malvado,
Só por ter o poder de quem é rei
Por não ter coração,
Sem mais nem menos,
Mandou matar quantos eram pequenos
Nas cidades e aldeias da Nação.
Mas,
Por acaso ou milagre, aconteceu
Que, num burrinho pela areia fora,
Fugiu
Daquelas mãos de sangue um pequenito
Que o vivo sol da vida acarinhou;
E bastou
Esse palmo de sonho
Para encher este mundo de alegria;
Para crescer, ser Deus;
E meter no inferno o tal das tranças,
Só porque ele não gostava de crianças.

Miguel Torga


É Dia de Natal

Chove. É dia de Natal.
Lá para o Norte é melhor:
Há a neve que faz mal,
E o frio que ainda é pior.

E toda a gente é contente
Porque é dia de o ficar.
Chove no Natal presente.
Antes isso que nevar.

Pois apesar de ser esse
O Natal da convenção,
Quando o corpo me arrefece
Tenho o frio e Natal não.

Deixo sentir a quem quadra
E o Natal a quem o fez,
Pois se escrevo ainda outra quadra
Fico gelado dos pés.

Fernando Pessoa

Falavam-me de amor

Quando um ramo de doze badaladas
se espalhava nos móveis e tu vinhas
solstício de mel pelas escadas
de um sentimento com nozes e com pinhas,
menino eras de lenha e crepitavas
porque do fogo o nome antigo tinhas
e em sua eternidade colocavas
o que a infância pedia às andorinhas.

Depois nas folhas secas te envolvias
de trezentos e muitos lerdos dias
e eras um sol na sombra flagelado.

O fel que por nós bebes te liberta
e no manso natal que te conserta
só tu ficaste a ti acostumado.

Natália Correia

VAVA.DIANDO DE NATAL
TRAGA CONSIGO
UM POEMA,
UMA CANÇÂO,
UMA FRASE
A SUA MÃO…

8 comentários:

alice disse...

os meus votos de um santo natal para e si e para a sua família.

Ida disse...

Adorei o convite e tenho uma pena imensa por não poder estar lá hoje. Quem sabe um dia, que os dias são todos diferentes, como os anos.

Tocante o poema do David Mourão Ferreira, pra mim, o mais tocante de todos, o mais humano, o mais real.

Desejo-te, e a todos a quem queres bem, festas felizes e ligeiramente fora do prumo, como devem ser as festas pra não se parecerem com os dias normais. E que 2008 seja encantador, como as festas.

Beijos nublados deste sul,

Matilda Penna disse...

Boas Festas, :).

Bandida disse...

grande noite, Lauro! e são os afectos que nos chegam....


e beijos

B.

Lauro António disse...

Alice: um beijo e Feliz Natal.

Lauro António disse...

Ida, não sabes o que perdeste. lol Foi divertido e "quente". Um beijo natalício.

Lauro António disse...

Matilde, boa e velha amiga dos blogues: um beijo para o outro lado do Atlântico, de que tenho já tantas saudades. Um Feliz Natal e um Óptimo 2008.

Lauro António disse...

Bandida: nerste jantares, a amizade e u cheirinho de "Periquita" para aquecer o ambiente, fazem tudo. Um beijo natalício.