quarta-feira, julho 12, 2006

“A CASA DE CERA”

Não o vi em estreia, vejo-o agora em DVD. Um filme de terror, “gore”, curioso: uma história como muitas outras, com um grupo de seis “teenagers” inconscientes, que vão assistir a um jogo de futebol americano, saiem de uma cidade rumo a outra, e pelo caminho acampam fora da estrada, num terreno que desconhecem por completo. Na manhã seguinte, uns vão para o futebol, outros vão tentar a sua (falta de) sorte numa pequena cidade, Ambrose, que nem aparece no mapa, onde procuram uma correia de transmissão para o carro. Não encontram a correia, mas descobrem um Museu de Máscaras de Cera, gerido por dois irmãos (traumatizados pela infância – onde é que eu já isto?) que são os únicos habitantes da cidade. Os restantes cidadãos, que parecem muitos, não passam de estátuas de cera. Mas tão reais! Pois, se está a imaginar a verdade dos factos, nós também (só os “teenagers” inconscientes não vão ao cinema ver filmes de terror!).

O que vale então a pena ver em “House of Wax”, este filmezinho de terror, norte-americano, dirigido pelo catalão e estreante Jaume Collet-Serra? Pois bem, o design da cidade, muito “art mouveau”, toda ela erguida em cera, e algumas situações bem imaginadas (como a sessão de cinema, onde se projecta “What Ever Happened to Baby Jane?”, um clássico de terror realizado em1962, por Robert Aldrich, com Bette Davis e Joan Crawford, duas irmãs enlouquecidas que se entregam ás mais perversas maquinações) para uma plateia de figuras de cera. Ou a cerimónia fúnebre numa igreja, ondenão há apenas um cadáver, mas apenas só m vivo. Ou o interior desse Museu de horrores, onde o gore atinge a sua amplitude máxima, com as habituais cenas de sangue a jorrar, acopladas a outras de máximo requinte: uma rapariga com os lábios colados com cola daquele que gruda carros às paredes, um amiguinho encerado vivo, um dedo cortado a sangue frio, e o mais que adiante se verá. A realização de Jaume Collet-Serra não é isenta de coisas bem feitas, mas o argumento escrito pelos irmãos gémeos Chad e Carey Hayes (será autobiográfico?J), não se suporta muito bem. Arranca tarde e a más horas (cerca de meia-hora para apresentar personagens e definir uma situação que toda a gente já conhece), não uma única figura com alguma originalidade ou interesse, e nunca se ultrapassa a idade mental de 12 anos.

Este é mais um projecto da nova produtora “Dark Castle”, criada pelo realizador Robert Zemeckis e o produtor Joel Silver e que procura recuperar o tom dos filmes de série B dos bons velhos anos 50, 60, onde havia homens como Roger Corman ou William Castle. Até agora já “A Casa da Colina” (House on Haunted Hill, 1999), “13 Fantasmas” (Thir13en Ghosts, 2001), “Navio Fantasma” (Ghost Ship, 2002), (Gothika, 2003), e esta “A Casa de Cera” (House of Wax; 2005), nova versão de “O Museu das Máscaras de Cera”, realizado em 1953, por André De Toth, com um fabuloso Vincent Price.
Anunciam-se “The Reaping” (2006) e “Return to House on Haunted Hill” (2007).
Diga-se que a interpretação também é particularmente deficiente, contando entre os actores a muito badalada “vip” norte-americana, Paris Hilton, filha do milionário que detém a cadeia de hoteis Hilton, e que aparece em vários “home vídeos” pornos, que se podem ver na net, mediante o pagamento da respectiva taxa moderadora. Muito edificante.

A Casa de Cera (House of Wax), de Jaume Collet-Serra (EUA, 2005), com Elisha Cuthbert, Chad Michael Murray, Brian Van Holt, Paris Hilton, Jared Padalecki, etc. 113 minutos. M/ 16 anos.

O catalão Jaume Collet-Serra fala do seu filme:
Por qué el terror?
"Es un género que te permite entrar más fácilmente en la industria comercial de Hollywood. Está de moda, recauda mucho dinero, y te da cierta libertad creativa. Tal vez no a nivel argumental (esta tiene un guión elemental y tópico), pero sí visualmente. Lo que me atrajo de La Casa de Cera es que era un film de serie B, un teen slasher (masacre de adolescentes, vendría a ser la traducción). Ahora hay muchos films de fantasmas que no asustan; todo se reduce a música muy alta. Yo quería violencia más gráfica y realismo. Es uno de los grandes terrores de hoy en día: puedes salir de casa, de viaje, y desaparecer sin que le importe a nadie, sin que sepan qué te ha pasado."
Debutar en Hollywood:
"He conseguido debutar gracias al productor Joel Silver, que conocía mi trabajo en publicidad (Collet-Serra vive en USA desde los 12 años y se ha labrado gran prestigio con spots para la Super Bowl). Pero también por mi agente. Él busca directores nuevos, buenos, bonitos y baratos. Te ofrece el guión para que lo destroces. No quiere que le beses el culo, sino que tengas estilo. Una semana después de nuestra entrevista ya estaba en Australia rodando. Eres un asalariado, vale, manufacturas un producto de encargo, apechugas con ciertos actores (Paris Hilton, por ejemplo), pero en mi caso pude pasarme todo lo que quise en las escenas salvajes."
La mirada violenta:
"Me gusta la violencia estilizada: una decapitación con un encuadre chulo, algo original, que no se haya visto antes. Intentaba no cortar con la cámara en esos momentos. Hay algo bello en lo espantoso, algo plásticamente perfecto. Es un concepto muy europeo, muy Dario Argento."
Dirigiendo a... Paris Hilton:
"No es actriz, es un reclamo publicitario. Tuve que dirigirla como si fuera un niño... ¡hasta un perro viene con su preparador y se sabe los trucos! Me dediqué a cansarla para que pusiera cara de angustia, y a pellizcarle sin avisar en las piernas para que chillara."

1 comentário:

Anónimo disse...

I find some information here.