segunda-feira, julho 30, 2007

INGMAR BERGMAN: HOMENAGEM


"Lágrimas e Suspiros"
*

"Persona"
*

"O Sétimo Selo"
*

"Morangos Silvestres"
*

"O Silêncio"
*

"Sonata de Outono"
*

"Lágrimas e Suspiros"
*

"Fanny e Alexandra"
*


Ingmar Bergman
Nasceu a 14 de Julho de 1918, em Uppsala, Suécia;
Morreu a 30 de Julho de 2007, em Faro, Gotland, Suécia)

9 comentários:

annabel lee disse...

:O não fazia ideia que tinha nascido no mesmo dia que Bergman...

vague disse...

Hoje?...

ana disse...

bela homenagem, mas gostaria ler alguma coisa sua sobre ele, em particular sobre o Personna

isabel disse...

estive hoje a ver "morangos silvestres"

gosto da forma como Bergman "lida" com as emoções...e com as pessoas...e com a morte

marta disse...

Vim cá de propósito para me associar à Homenagem.

Para mim, jamais alguém filmou sentimentos como Bergman.
Não é só o dom de filmar bem, é o dom de tão bem os conhecer.
Mesmo os de rival crueldade entre mãe/filha.
Garanto-vos que não estão nem um pouco exagerados.
Não está aí, mas adorei, também o último "Samarcand".


Beijinho Lauro António

Anónimo disse...

um "caranguejo"....:))))
vi todos os filmes...alguns repetidamente.


a genialidade de uma alma m
ultipla e coerente na busca de um eu colectivo e "pessoal".

um post à tua maneira.


brilhante.



abraços.


isabel m ferreira.

Hugo disse...

Obrigado por me fazer lembrar alguns momentos de alguns dos meus filmes preferidos. Felizmente a obra é maior do que a presença física e continuará a marcar gerações de cinéfilos. Afinal, ninguém filmou o interior do "eu", a Alma como Bergman. Só isso não diz quase nada, mas, também, diz tudo.

Abraço

shivers disse...

Grande tributo...

RIP

Ida disse...

Tem lá paciência, Lauro, mas "Gritos e sussurros" soa bem melhor que "lágrimas e suspiros". Assim como, "Como era verde o meu vale" é bem mais impactante que "O vale era verde". Afinal pergunta aí à Eduarda porque diabos não há bons tradutores de títulos de filmes em Portugal como os há para os livros. E, já agora, não citaste o maravilhoso "Saraband"... e eu tou mesmo arrasada pelo desaparecimento do I Bergman. Tenho de assistir a tudo de novo. Beijos... de cinema vazio.