segunda-feira, julho 02, 2007

TEATRO: O CASO RIVOLI, 1


Recebemos a seguinte informação, veículada por "Quarta Parede", "Blog sobre o teatro que se faz e acontece no Porto".

"A credibilidade das informações camarárias."

A nota do refido blogue, coloca as seguintes questões:

No seu blog, Lauro António, secundado por Eduardo Pitta, pergunta:

Já agora um pouco de esforço: os 1500 contos eram gastos em quê, por dia, se não serviam sequer para montar espectáculos e eram consumidos unicamente na manutenção da sala?

A resposta é esta:
Prejuízos da Culturporto vieram com a gestão de Rui Rio

Jorge Marmelo

Em 2002, com um orçamento ainda feito pela equipa de Manuela de Melo, a instituição teve quase um milhão de euros de resultado positivo, voltando depois ao prejuízo. Receitas de bilheteira do Rivoli cresceram continuamente entre 2001 e 2005, apesar do desinvestimento da autarquia

Quando, em Julho do ano passado, anunciou a privatização do Rivoli, o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, argumentou que a autarquia pouparia, com esta medida, 10,9 milhões de euros em quatro anos. Essa quantia corresponde, porém, ao total da verba que a câmara transferiu, entre 2002 e 2005, para a Culturporto, entidade já extinta e que geria não só o Rivoli, mas assegurava também as actividades de animação da cidade (as quais vão continuar a ser pagas pela edilidade, através da empresa municipal PortoLazer, entretanto criada). Esta é apenas uma das conclusões a que se pode chegar consultando os relatórios e contas da Culturporto no referido período.
Jorge Marmelo, in "Público"
Posted by Jorge Filed in Contra-desinformação, Rivoli

*

Fica-se assim a saber que a Culturporto geria não só o Rivoli, como "as actividades de animação da cidade" do Porto. Que actividades eram essas de animação? Quanto orçavam em relação ao que se gastava com o Rivoli? A Câmara e a Culturporto não disponibilizam dados concretos sobre as despesas reais quer do Rivoli, quer da "animação da cidade"? A "animação da cidade" é algo muito vago. Tem a ver com as Festas de São João? Contemplou toda a animação do Porto, ou havia outras entidades a organizar certos festejos e "esta animação da cidade" era apenas residual?

Entretanto, como se diz na nota, "Rui Rio anunciou que, com a privatização do Rivoli, pouparia 10,9 milhões de euros em quatro anos." Uma outra afirmação a necessitar de confirmação. A simples privatização do Rivoli assegura essa poupança? Que tal saber-se mais sobre tudo isto.

Creio que todas estas perguntas merecem respostas alicerçadas em números reais e não em passes de mágica ou manipulações baratas.

Obrigado ao Blogue "Quarta Parede" e a Jorge, autor do blogue, pela sua contribuição. Continuamos à procura de uma maior clareza no debates destas questões, e todos as colaborações serão bem vindas.

2 comentários:

Jorge disse...

Um esclarecimento:
A notícia citada é de autoria do jornalista Jorge Marmelo.
Contudo, o blog Quarta Parede e o referido post não são de autoria nem têm qualquer ligação ao jornalista Jorge Marmelo.

Peço desculpa pela confusão que possa ter surgido.

belinha disse...

Olá sr. Lauro!Com que então anti Tomates e Grelos!!Eehe! Mas olhe, passe pelo meu blog e vote numa das minhas maravilhas PAPELUSTRO.Ali não há feira de vaidades nenhuma, sou apenas eu a brincar com esta coisa das 7 maravilhas e no final pode receber um dos meus bonecos para penduricar na parede ao lado de um poster que tenha sobre cinema de animação. Ando um pouco longe da Internet e das visitas que dantes fazia com frequência...as pessoas já devem ter pensado queme cansei.Simplesmente não tenho a mesma disponibilidade ou tempo.Até À próxima!