sexta-feira, outubro 24, 2008

CINEMA: CABARET

Andando em maré de musicais: já aqui escrevi como saí desiludido da versão portuguesa de “Cabaret”, instalada no “Maria Matos”. Revi há dias o filme, que continua galvanizante, e fui descobrir uma crítica publicada por mim, por essa altura. Com uma ou outra correcção, e sem um bom excerto que a censura cortou (e eu não repesquei), aqui fica:
"Cabaret" (EUA, 1972): Berlim, fins dos loucos anos 20, inícios da ameaçadora década de 30. A lição correcta de como foi possível a ascensão do nacional-socialismo. Uma época de crise, uma época de inconsciência, uma época de loucura. Com o fascínio que tal caos pressupõe, com a repulsa que a posterior reacção justificaria.
No palco, Liza Minelli (filha de Vincent Mirmelli e de Judy Garland) tenta recortar a silhueta de Marlene em “O Anjo Azul”, enquanto Joel Grey cacareja a impotência e o total aviltamento do professor Unrat. Marlène e Emil Jennings estão constantemente presentes nos olhos de todos e esta referência, em jeito de homenagem, não é seguramente um dos menores trunfos do belo filme de Bob Fosse (que ultrapassa em muito os limites de um “género”).
Soberbo, enquanto reconstituição de um período, “Cabaret” leva ainda mais longe que “Sweet Charitty” as potencialidades coreográficas de Bob Fosse. Na verdade, este é um “musical” não coreografado em palco (como muitos dos clássicos) ou em profundidade de campo (como quase todos os “musicais” após os anos 40), mas sim um “musical” cujos “números” são coreográficos na montagem. Ou seja: em vez de uma câmara a movimentar-se (ou fixa) frente a um cenário, onde evoluem os bailarinos, a técnica de Bob Fosse é um tanto diferente, apresentando pequenas zonas cénicas, filmadas de vários ângulos. É através do ritmo da montagem desses planos, de uma cadência segura e sincopada, que os “números” se vão organizando, preenchendo um espaço cinematográfico, criando um tempo diferente e um ritmo novo. Dois actores justificariam, igualmente, por si só a visão do filme: em primeiro lugar Joel Grey, uma revelação sensacional, um “entertainer” que interrompe a acção do filme, que a trunca por vezes, que a distancia. Ironicamente, este é o comentador “travesti” que a época justificava. Uma personagem andrógina, de uma ambiguidade sexual tremenda, uma ilha da noite e dos fantasmas que nela se geram, “clown” sombrio que a luz dos reflectores traz à ribalta para inquietação dos presentes. Nada é seguro nesta personagem, como nada era seguro nesses anos de maus presságios. Com Liza Minnelli estamos de novo perante uma grande actriz que se impõe um pouco contra a chamada “corrente do jogo”. Só o seu enorme talento e a comunicação espontânea que estabelece fazem esquecer outros aspectos menos atraentes da sua figura. Este é um “Cabaret” fascinante e medonho, mistura nocturna de luzes inebriantes e vielas lamacentas, cruzadas por “milícias” que distribuem a dor e instalam o pavor. Que se verá com redobrado prazer, é certo, mas com os olhos despertos para o perigo que encerra esta panorâmica decadentista que viaja por um cenário de "cabaret” onde se argamassa realidade e espectáculo, vida e representação.
Bob Fosse dirige Liza Minnelli

7 comentários:

Mar Arável disse...

Tem toda a razão

ainda hoje

quando escreveu

o que agora nos recorda

Anónimo disse...

Lauro António apresenta e apresenta muito bem. Este seu blog descoberto hoje por mim é uma lufada de ar fresco dentro do estilo. Sem trazer aqui aqueles textos chatíssimos que alguns entendidos na matéria acham que só assim se deve falar de cinema é com prazer que se lê os postes do Lauro António. - \\\ Gostaria de saber caso seja possível, o seguinte: Há dias procurando na Fnac por um filme português com o título " Milagre segundo Salomé" que já tinha visto na prateleira há uns meses, me informaram que o referido filme foi retirado do mercado. Terá mesmo isso acontecido ? Um obrigado e saúde para puder continuar a apresentar este bom blog. - António Palma - Loulé

Lauro António disse...

É muito possível que o DVD esteja retirado. Uma editora normalmente detem por 5 anos os direitos de exploração de uma obra, findos os quais esta é retirada ddo mercado. Até nova concessão, se surgir.

Anónimo disse...

Um obrigado pela rápida informação do Lauro. Desconhecia realmente esse prazo de cinco anos quanto aos direitos de exploração da obra. De qualquer modo parecia-me que o filme teria menos tempo de estreado. Mas o que é certo é que o tempo passa por nós a uma velocidade tal que parece que tudo foi ontem.... e da parte da tarde. Um bom fim de semana. António - Loulé

Anónimo disse...

Por acaso alguma vez viu os filmes " O retrato de Geny" e " A rua de Delfim Verde" ? Em miúdo ouvia o meu pai referir muitas vezes esses dois filmes como grandes filmes ( para ele)claro, simples cinéfilo. Um obrigado pela atenção dispensada. Antonio Palma

Lóri disse...

Belo texto que, a crer na introdução, não parece nada datado, é de primeira qualidade como o que sempre se encontra por aqui. Gosto de lê-lo, meu querido Mr Movie, ainda mais quando fala de coisas de que gosto imenso, como esse filme e a Liza nele.

Acho que vou tentar encontrá-lo pra matar saudades... do filme, afinal, é o que é possível.

Beijos

Helder Magalhaes disse...

O Fosse era genial!

Os musicais dele têm sempre muito conteúdo, são muito trabalhados e puxam muito à emoção!
É pena não ter feito assim muitos...

E a crítica faz justiça ao filme, como sempre!


Um grande abraço, do
Helder M.