domingo, julho 19, 2009

FESTIVAL DE TEATRO DE ALMADA, CORREU O PANO

:


COMÉDIA MOSQUETA
Texto de Angelo Beolco, o Ruzante
Encenação de Mário Barradas
Último dia do Festival, discursos da praxe, mas sentidos, emocionados, e a apresentação de “Comédia Mosqueta”, um texto de Angelo Beolco, dito o Ruzante, pelo Teatro de Almada, que assim encerrava as festividades em bom tom. A “Comédia Mosqueta” é uma das obras teatrais mais significativas e conhecidas do dramaturgo italiano do século XVI e a primeira representação em Portugal de que tenho memória data de 1972, numa criação da companhia “Os Bonecreiros”, com encenação de Mário Barradas, e interpretada por um elenco de boa memória, constituído por Fernanda Alves, José Gomes, Vicente Galfo, Mário Jacques e Maria Emília Correia. Pode dizer-se que esse foi um dos bons momentos teatrais do início dos anos 70, ainda antes do 25 de Abril, concretizando uma tentativa de aproximação de uma obra popular e crítica.
Posteriormente, “Comédia Mosqueta” voltaria a aparecer numa versão que tive oportunidade de ver, em Viana do Castelo (no Centro Dramático), numa tradução de Alexandre Passos, com dramaturgia e encenação de José Martins, com cenários e figurinos de Catarina Amaro, e um grupo de actores composto por Elisabete Pinto, Luís Barroso, Maria José Miranda e Sylvie Rocha. Julgo que várias outras encenações se lhe seguiram.
Mário Barradas, que encenou a versão de 1972 do clássico de Ruzante, voltou ao texto que tão bem conhecia agora em Almada. Actor e encenador, Mário Barradas é um nome de referência no teatro português da segunda metade do século XX, tendo sido director artístico de Os Bonecreiros, fundador do Centro Cultural de Évora (em 1975), director durante alguns anos da Escola Superior de Teatro de Lisboa, e co-fundador do Teatro da Malaposta. Angelo Beolco, dito o Ruzante, (que nasceu e viveu em Pádua, entre 1496 e 1542) foi um actor e dramaturgo italiano, que estudou Medicina e cuja obra literária, sob o pseudónimo de Ruzante (que foi buscar ao nome de uma personagem que aparece em várias das suas comédias, e que o próprio interpretava), vai da poesia ao teatro. Ruzante é considerado um dos mais importantes inovadores do teatro italiano, tendo-se servido da sua experiência como actor e encenador. Estudioso infatigável, nunca deixou de polemizar com alguns dos seus mais ilustres contemporâneos. Dario Fo, no discurso que proferiu aquando da atribuição do Prémio Nobel da Literatura, referiu-se a Ruzante como “o maior dramaturgo do Renascimento europeu, antes do aparecimento de Shakespeare”.
“La Moscheta” é uma obra que participa de um conceito de espectáculo muito definido, conhecido por “Commedia dell'arte”, e que era uma forma de teatro popular, representado nas ruas e praças públicas, improvisado, que se iniciou no séc. XV em Itália, e que se desenvolveu posteriormente também em França, mantendo-se vivo até o séc. XVIII. A “Commedia dell’arte”, também chamada “Commedia All’improviso” e “Commedia a Soggetto”, opõe-se à “Comédia Erudita”, As companhias de “Commedia dell’arte” eram itinerantes e possuíam uma estrutura de esquema familiar, seguindo apenas um roteiro, que se denominava “canovacci”, mas possuindo total liberdade de criação; os personagens eram fixos, sendo que muitos actores viviam exclusivamente esses papéis até a sua morte.
No caso de “La Moscheta” esta é uma comédia que joga com o dialecto rural da região de Pádua, e o dialecto urbano que um dos personagens utiliza para se fazer passar por alguém da cidade (precisamente o marido de Betia, quando quer por à prova a sua fidelidade). A "Moscheta" toma justamente o nome desse falar "moscheto", nome do dialecto de uma linguagem mais refinada, proveniente da cidade. O que permite algumas alfinetadas criticas sobre o campo e a cidade, mas faculta sobretudo uma curiosa sátira de costumes sobre a traição e a lealdade, a astúcia dos humildes, a vitalidade que lhes permite a sobrevivência, o engenho no artifício, a facilidade com que ultrapassam humilhações e necessidades, com uma robustez inabalável e uma sensualidade que lhes dá vida.
A encenação de Mário Barradas é inventiva e inteligente, explorando com graça certos aspectos do texto, os actores são particularmente eficazes e divertidos, sublimando-se o trabalho e a presença de Teresa Gafeira, e o recorte caricatural de José Martins.

COMÉDIA MOSQUETA - Texto de Angelo Beolco, dito o Ruzante; Encenação de Mário Barradas; Intérpretes: Ivo Alexandre, José Martins, Paulo Matos, Teresa Gafeira; Tradução: José Oliveira Barata; Cenário: Christian Retz; Recriação dos figurinos: Sónia Benite; Desenho de luz: José C. Nascimento; Duração 1h20; Classificação M12 anos.

2 comentários:

Maria Eduarda Colares disse...

Bom fim de festa, é verdade! Faltou aqui só dizer que a votação do público foi para "Dialogue d'un chien avec son maître sur la né cessité de mordre ses amis", que será, portanto, o espectáculo de honra do festival do ano que vem. Uma boa notícia para quem viu e reverá com gosto, e para quem não viu e terá assim oportunidade de compreender a necessidade de morder os amigos, explicado por um cão quem tem mais de raciocíno humano do que muitos humanos.
Encontro marcado em Almada no próximo Festival!

ADS disse...

Gostei da peça que encerrou o FITA, representações irrepreensíveis, mas por outro lado fez-me pensar na quase ausência de «sangue novo» no que diz respeito ao «painel» de actores desta companhia. E não posso deixar de fazer um outro reparo, desta vez respeitante ao guarda-roupa: improvisado, fraco - este é aliás um ponto em particular em que a CTA raramente me surpreende pela positiva. E sim, dou alguma importância à coisa. Como não dar? Bom, fica a minha honesta opinião.
Quanto à peça votada como espectáculo de honra, e coincidindo com o que por qualquer razão que desconheço tem vindo a acontecer todos os anos, não se contou entre as que vi (17, pas mal!), pelo terei essa oportunidade para o ano!
Até lá!